Execução de bends e as “verdades” dos métodos

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Execução de bends e as “verdades” dos métodos

Mensagem por lcristante em Dom Out 22, 2017 11:03 pm

Desde sempre adoro blues; acho o som envolvente e empolgante, todavia para mim a gaita diatônica não deixada se ser só mais um instrumento como outro qualquer, até que durante uma viagem com amigos para Brumadinho-MG em 2015, encontramos um bar tocando rock nacional para jantar e no meio da noite apareceu um conhecido da banda que pediu um Sol, tirou uma gaitinha do bolso e emocionou os clientes com um improviso colocando o bar de pé. Naquela noite a gaita me ganhou e no dia seguinte busquei um pouco sobre ela na Internet. Para minha alegria (ou ingenuamente) acabei chegando em um blog que dizia que gaita era um instrumento fácil e que com 15 dias já era possível ser dominado: pura bobagem! Eu cansado de ter estudado violão clássico por 7 anos e nos churrascos da turma só me pedirem para tocar Raul, vi uma alternativa aos longos estudos de solfejo com o Bona e método do Francisco Tarrega, especialmente agora numa fase da vida em que, por questões profissionais, 4 horas de estudos precisam ser condensadas em 15 minutos roubados da hora do almoço. Segue meu primeiro aprendizado com a gaita que gostaria de compartilhar: a gaita diatônica requer a mesma dedicação de qualquer outro instrumento, especialmente se você quiser tocar um blues de respeito, mas o esforço vale a pena!

Meu segundo aprendizado e tema desta postagem é em relação à praticamente todos os métodos recomendarem uma gaita diatônica em C ou em D ao iniciante: também comecei com uma gaita em C e em menos de 1 semana consegui tirar o meu primeiro bend no 1 aspirado (parece besteira, mas metódico como sou não poderia começar por outro furo que não o primeiro da gaita). O bend do 4 aspirado, mais fácil também segundo muitos métodos, me levou mais de 4 meses fazendo eu quase desistir do instrumento por mais de 1 ano (se o mais fácil é assim, imagina o mais difícil kkkkk). Então, convidado para um festival de ex-alunos do colégio em que fiz o ensino médio, comprei um kit de gaita... eu escolhi tocar “Blowing in the wind” do Bob Dylan, mas só acertei com a pessoa do violão que seria no tom original “D” minutos antes do feito. A apresentação trouxe a gaita à tona em minha vida novamente e me permitiu mais tarde assoprar gaitas em outras afinações. Para minha surpresa, na primeira vez tocando uma gaita em A tirei todos os bends aspirados, repito todos os bends aspirados facilmente e em poucos minutos! Isso só me faz crer que meu biotipo (ou língua) é votado para gaitas graves. Desculpe-me se esta é uma postagem muito longa, mas queria motivar meus colegas gaitistas para não desanimarem com os bends; uma hora eles saem junto com um sorriso no rosto. Porém não deixem de se conhecer e de conhecerem o instrumento mais do que acreditar em métodos e suas “verdades” absolutas. Métodos ajudam, mas no fundo o sucesso está em você. Excelentes sopros à todos!
avatar
lcristante

Mensagens : 4
Data de inscrição : 14/09/2017
Idade : 36
Localização : SP

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Execução de bends e as “verdades” dos métodos

Mensagem por RodrigoBrasileiro em Qui Out 26, 2017 8:09 am

lcristante escreveu:Desde sempre adoro blues; acho o som envolvente e empolgante, todavia para mim a gaita diatônica não deixada se ser só mais um instrumento como outro qualquer, até que durante uma viagem com amigos para Brumadinho-MG em 2015, encontramos um bar tocando rock nacional para jantar e no meio da noite apareceu um conhecido da banda que pediu um Sol, tirou uma gaitinha do bolso e emocionou os clientes com um improviso colocando o bar de pé. Naquela noite a gaita me ganhou e no dia seguinte busquei um pouco sobre ela na Internet. Para minha alegria (ou ingenuamente) acabei chegando em um blog que dizia que gaita era um instrumento fácil e que com 15 dias já era possível ser dominado: pura bobagem! Eu cansado de ter estudado violão clássico por 7 anos e nos churrascos da turma só me pedirem para tocar Raul, vi uma alternativa aos longos estudos de solfejo com o Bona e método do Francisco Tarrega, especialmente agora numa fase da vida em que, por questões profissionais, 4 horas de estudos precisam ser condensadas em 15 minutos roubados da hora do almoço. Segue meu primeiro aprendizado com a gaita que gostaria de compartilhar: a gaita diatônica requer a mesma dedicação de qualquer outro instrumento, especialmente se você quiser tocar um blues de respeito, mas o esforço vale a pena!

Meu segundo aprendizado e tema desta postagem é em relação à praticamente todos os métodos recomendarem uma gaita diatônica em C ou em D ao iniciante: também comecei com uma gaita em C e em menos de 1 semana consegui tirar o meu primeiro bend no 1 aspirado (parece besteira, mas metódico como sou não poderia começar por outro furo que não o primeiro da gaita). O bend do 4 aspirado, mais fácil também segundo muitos métodos, me levou mais de 4 meses fazendo eu quase desistir do instrumento por mais de 1 ano (se o mais fácil é assim, imagina o mais difícil kkkkk). Então, convidado para um festival de ex-alunos do colégio em que fiz o ensino médio, comprei um kit de gaita... eu escolhi tocar “Blowing in the wind” do Bob Dylan, mas só acertei com a pessoa do violão que seria no tom original “D” minutos antes do feito. A apresentação trouxe a gaita à tona em minha vida novamente e me permitiu mais tarde assoprar gaitas em outras afinações. Para minha surpresa, na primeira vez tocando uma gaita em A tirei todos os bends aspirados, repito todos os bends aspirados facilmente e em poucos minutos! Isso só me faz crer que meu biotipo (ou língua) é votado para gaitas graves. Desculpe-me se esta é uma postagem muito longa, mas queria motivar meus colegas gaitistas para não desanimarem com os bends; uma hora eles saem junto com um sorriso no rosto. Porém não deixem de se conhecer e de conhecerem o instrumento mais do que acreditar em métodos e suas “verdades” absolutas. Métodos ajudam, mas no fundo o sucesso está em você. Excelentes sopros à todos!

cheers cheers cheers
Maravilhoso seu depoimento meu amigo!!! Show mesmo...
Concordo plenamente com vc... estou cansado de ouvir....ler...que a gaita é algo fácil...de ver vocalistas tocando de qualquer maneira e passando uma falsa imagem do instrumento...que é algo que se pode tocar de qualquer maneira...Fico indignado com isso...A gaita é um instrumento como qualquer outro...que possui suas facilidades e suas DIFICULDADES de aprendizado...o que é fato..é que consegue-se dedicar mais devido sua praticidade...para qualquer lugar que for...vc consegue levar e estudar caso tenha oportunidade...e seja conveniente. Mas fácil? isso não é....
Mas é isso mesmo...os bends se conseguiu primeiro no -1 que é a nota mais grave da gaita em C..realmente com gaitas mais graves vc conseguiria...assim como os overs com gaitas mais graves é bem melhor de se aprender...apenas para aprender a gaita no geral que é melhor a em C...pq eh mediana no som...nem grave e nem aguda...mas para as outras tecnicas...se tiver condições de comprar outros tons...o ideal é ir se conhecendo...
É isso ai brother...muito obrigado pela postagem
Grande abs
avatar
RodrigoBrasileiro
Admin

Mensagens : 60
Data de inscrição : 29/04/2015
Idade : 32

Ver perfil do usuário http://gaitistarb.com.br

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum